Past future

O Futebol Brasileiro era conhecido no mundo como “celeiro do futebol”, o “país do futebol”, mas recentemente, em um jogo de Copa do Mundo, o Brasil levou um sacode histórico da Alemanha e revelou a fragilidade do nosso futebol para o mundo. Mas o que levou a esse quadro? Será que o enfraquecimento do futebol regional é um fator importante para essa queda?

Até 2002, o calendário nacional era dividido em 2 semestres – 1 para Regionais e Estaduais e 1 para os Nacionais. Em 2003, o Brasileirão da Série A, principal torneio nacional do país, passou a ser disputado em turno e returno, e no ano inteiro. Os pontos corridos vieram para dá uma organização maior ao nosso futebol e deixar as regras da competição mais claras. O resultado deu certo até 2013, quando houve a primeira virada de mesa no mata-mata. Mas as regras são claras e simples, sem criação de artigos no regulamento durante a competição, e as regras gerais são válidas para 2 temporadas.

Com o nacional sendo disputado o ano inteiro, os estaduais enfraqueceram e perderam a importância. Isso enfraqueceu o futebol do interior nos principais centros. O maior efeito disso refletiu em grandes clubes do interior do país, que ano após ano, sofrem com a falta de calendário, jogando apenas 3 meses à 5 meses  por ano e o restante inativo.

Esse Protestano não pede a volta do formato antigo, mas que seja feito algo para evitar isso, o enfraquecimento da base do futebol nacional, o futebol do interior. São 100 clubes jogando o ano todo, e centenas sofrendo com as migalhas. O que será feito nos próximos anos para reverter esse quadro? Ainda não se sabe, mas é necessário que seja feito urgente. Já não estamos mais no topo, como sempre estivemos.