Vontades – Tristezas e Desejos Reprimidos

Hoje minha vontade entrou de férias!

Sem vontade de sorrir,

Sem vontade de fazer algo,

Sem vontade de falar do Palmeiras!

 

Será que a culpa são dos átrios e ventrículos

que pulsam mais devagar?

Ou de alguma proteína

que carregou o hormônio da tristeza

para perto de minhas células,

e minha frágil membrana

aceitou como algo bom?

 

O que me deixastes assim?

Entregue a solidão!

Desolado e entristecido,

como se o mundo estivesse findado.

 

Será minha carência?

Será a ausência de beijos dela,

Será o reprimido desejo de tê-la em meus braços

e ela seguir a se afastar?

 

 

Oh, senhor!

Explica-me de onde surge essa tristeza,

que pode ser inspiradora,

mas que me destrói

igual um verme devora um defunto.

 

 

Oh, Deus!

O que fiz para viver nessa carência,

reprimido em meus desejos

e refém da felicidade dela?

 

O que sinto

será hiperbolismo de um poeta

ou uma reação de defesa de meu coração?

 

 

Oh, pai!

Me liberte deste agoniante sentimento,

que empobrece min’alma,

que apodrece meu amor,

que me limita a ser um réu de mim mesmo,

um servo quase escravo daquele sorriso,

um ser sem amor próprio,

e dependente daquele coração!

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s