Um Pouquinho de Amor Não Faz Mal a Ninguém – Capítulo 34

CAPÍTULO ANTERIOR

 

Após ela dizer aquelas palavras, a tirei de cima de mim e a xinguei até a 18ª geração de vagabundas que sairão daquele “xinin podre” dela. Ela dizia não entender a minha reação. Eu falei de tudo o que vi dela, tudo o que descobri, tudo o que me deixou revoltada por amá-la. Ela chorando, veio me pedindo perdão e disse que o que fazia era para se promover como modelo, que como não tinha talento para desfilar, somente para fotos, usava desse recurso para está nos melhores desfiles. Ainda com os olhos cheios de lágrimas, disse que os políticos sustentavam o apartamento que ela morava e meu chefe pagava o resto, porém ele se apaixonou e a quis tirar daquela vida, mas ela não pode deixar, enquanto for modelo, pois sem os “free lancers” jamais ela teria a vida que tem. Eu não queria mais saber daquela vadia em minha casa, e apesar do meu coração despedaçado a mandei embora e tinha que só usei do corpo dela, de graça, para saciar a carência que estava e nada mais. Quando ela passou a porta, fiquei por ali mesmo e comecei a chorar. Nunca havia chorando tanto, meu peito doía, minhas lágrimas se esparramava por todo o apartamento, nem a roupa coloquei, fiquei pelada e jogada ao chão… era a pior noite da minha vida.

No dia seguinte, nem precisei acordar, pois não havia dormido. Fiz um café pesado e assisti TV. Não esqueço jamais daquele dia, pois foi o dia que mais assisti TV na minha vida! Assisti de tudo, desde a Ana Maria Braga até A PRAÇA É NOSSA! Se alguém me ligou, não soube, pois desliguei o celular. Facebook, Whatsapp, Twitter, Tinder… nenhuma olhadinha se quer! Chorar? Não chorei! Só comi o que tinha e muita TV. Já indo dormir, tirei a roupa e antes de colocar de outra, resolvi queimar todas!!! Só deixei uma camiseta e um “short”, que só escaparam porque os usarei para comprar novas roupas, tenho um dinheiro guardado na Poupança e esse servirá para tal emanado. O que fiz foi uma simbologia! Ali, eu me matei, me deixei morta, mas mantive meu corpo ileso. Minha alma morreu e uma nova foi posta no lugar. Pelada em frente ao fogão, vi Gabriela morrer e vi surgir uma nova mulher, bem diferente da “sem noção” apaixonada, bem diferente mesmo….

(Próximo Capítulo)


Um comentário sobre “Um Pouquinho de Amor Não Faz Mal a Ninguém – Capítulo 34

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s