Entre Escola e Universidade: dinossauros e caderninhos por uma dramaturgia encarnada

RESUMO

Este texto, escrito a seis mãos, insiste na não-dicotomia entre corpo e mente, ação e pensamento, objetividade e subjetividade, de modo a alcançar as férteis relações adulto-criança no âmbito da ficcionalidade. Defende o exercício da docência do teatro tanto na universidade quanto na escola, na chave de uma dramaturgia encarnada: modo de escrita e de uso do texto dramatúrgico no qual a corporalidade e central. Apresentando mais perguntas do que respostas, busca por um trabalho dramatúrgico que narra, dialoga, propõe performatividade e mudança nos mundos de vida dos discentes das Licenciaturas em Teatro, bem como os mundos de vida de seus futuros alunos, crianças e jovens brasileiros.

 

CLIQUE AQUI E LEIA O ARTIGO COMPLETO

 

AUTORES: Taís Ferreira (Universidade Federal de Pelotas – UFPEL, Pelotas/RS, Brasil), Luciana Hartmann (Universidade de Brasilia – UnB, Brasilia/DF, Brasil), Marina Marcondes Machado (Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, Belo Horizonte/MG, Brasil)

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS DA PRESENÇA

QUALIS: A1

ANO 2017

ÁREA: ARTES

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s