A VIGÊNCIA DE NOEL ROSA COMO MEDIADOR CULTURAL NA TRANSFORMAÇÃO DO SAMBA NOVO NOS ANOS 1930

RESUMO

O sambista Noel Rosa (1910-1937) entra e se consolida na cena profissional da música popular do Rio de Janeiro entre 1928 e 1933, momento em que o samba ganha uma transformação, tanto em termos musicais, quanto extra-musicais. Nesses anos, um tipo de samba novo e por inteiro carioca emerge com uma estrutura rítmica nova que, ainda mantendo sua natureza sincopada, passa de ser uma música negra, com forte inclinação ao improviso e, com freqüência, rejeitada pela classe dominante, a ser a música nacional do Brasil, com uma estrutura lírico-musical fixa, apoio institucional no Carnaval oficial e transmitida massivamente pela então nova tecnologia do rádio. Tal como observa Carlos Sandroni, assistimos a um estilo novo que se distingue do antigo (2004, p. 131), a saber, o dos baianos migrados e seus descendentes desde o Centro à Cidade Nova, por um lado, e pelo outro, o do bairro de Estácio de Sá onde fica o morro de São Carlos. Por isso, críticos e historiadores do samba, às vezes opostos, definem o samba como gênero tradicional e novo, afro-brasileiro e quinta essencialmente nacional, folclórico e comercial, dado que através de sua evolução ele refere diversas práticas da música e cultura carioca do século XX.

CLIQUE AQUI E LEIA O ARTIGO COMPLETO

AUTOR: Dionisio Márquez Arreaza

Revista Garrafa (UFRJ)

ANO 2013

Qualis: B2

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s