Cemparimbu – Capítulo 12 – Guerra e Decadência de Cê e o surgimento de uma nova Potência

CAPÍTULO ANTERIOR

Em 17 de Meazza de 500, tropas de Cê tentam invadir Xiz em território limítrofe no setor de Caluka. Como foi um ataque surpresa, as tropas xizanas foram massacradas pelos cesianos, que passaram a considerar parte do território de Xiz como seus.

Em contra-resposta, a Imperatriz Mariana Ximenez I decreta convocação geral para o exército xizano. Esse treinamento tem um período de 6 meses, enquanto este não ficava pronto, Xiz somente sustentava o seu território, evitando novas invasões.

Em 4 de Pelé de 501, uma guerra ocorre em Delon, mas dessa vez, Cê e Xiz não estavam envolvidos. Operários atacam surpreendente a sede de uma das províncias do Império de Delon. Esse ataque foi comandado por diversos líderes, onde o que se destacava Muriel Sosa. Esse ataque foi tão bem planejado que o Imperador Patrício Rodrigues, entrou em negociações com tais operários, que tinham o apoio de militares e burgueses locais. Patrício estava disposto a negociar tudo, pois o país estava afundado em dívidas com Xiz e estourar uma Guerra Civil não era um bom naquele momento, pois geraria gastos. Muriel e seus orientando de partido, pediram a independência de Carco (nome da Província). Imediatamente, Rodrigues I acelerou o processo com um decreto, e declarou a independência de Carco. Isso tudo em um único dia. Porém, Carco ficaria com parte da dívida com Xiz, aquela que era correspondente ao seu território, cerca de 10% da dívida total do Império. Sosa ao ser eleito presidente, traiu os sindicatos, se aliou a burguesia e Carco passou a ser aliado a Xiz em território delonês.

Voltando a história principal, a imperatriz Mariana I, afim de deter a força do exército de Cê, resolveu negociar território. Xiz iria invadir Cê pela primeira vez na história, porém o território passaria a ser do Marechal Odiriz Nam. Ou seja, cada trecho de terra adicionada de Cê em Xiz, era de Nam.

Em 503, Cruz tem desentendimento com Xiz e se alia a Cê, o mesmo ocorre com Noimo. Como vingança, Mariana negocia com Ortiz. Mariana levaria tropas xizanas a atacar territórios de Cruz, enquanto que tropas namesas iria atacar pelo Sul de Noimo.

Em 505, a guerra se intensificou em território noimês. Por alguns meses, Noimo, Cruz e Cê sumiram do mapa, tamanha ofensividade dos exércitos nameses e xizanos. A neutralidade dos 3 países de Delon incomodava, mas assim os 3 se mantiveram neutros durante aquele curto, porém intenso, período da história.

Em 510, em Calvânia, os líderes das potências resolveram assinar um acordo de paz. Naquele momento, o imperador de Cê, o descendente de Calvo estava morto. Os acordos foram definidos e Cemparimbu tinha um novo mapa. Xiz e Nam estavam absurdamente gigantes.

Ampliação de Xiz, Guerra e Decadência de Cê e o surgimento de Nam - Cemparimbu - Dexaketo

Após o acordo, Ortiz Nam resolveu dividir o poderio de seu império com sua irmã, Lorena Nam. Assim, ele controlaria o Nam localizado no setor de Caluka, enquanto Lorena controlaria o Nam localizado em Samami.

Ao fim, Noimo, Cruz e Cê voltaram a existir, porém com território bem menor que o anterior a guerra. Xiz ampliou seu domínio e poder, e o Grande Nam (soma dos dois Nam’s) passava a ser a segunda potência mundial. Cê voltava a ser República.

No próximo capítulo, os mil anos de domínio absoluto de Xiz.

Anúncios

Um comentário sobre “Cemparimbu – Capítulo 12 – Guerra e Decadência de Cê e o surgimento de uma nova Potência

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s