Ele troca de namorada como de roupa.
E com todas ele vive o intenso; se mostra o máximo que alguém poderia ter; usa o melhor vocabulário para cortejar; não mede esforços para que o mundo veja como ela está sendo amada… E aí acaba.
Qual a próxima que escolherei para ser amada eternamente?
Aquela!
E todo o cortejo recomeça…
Mas o que ele não sabe talvez, é que pra cada uma que ele mostrou a perfeição mesmo que momentânea, ele destruiu uma parte da crença de que o amor é perfeito.
Ao menos um mundo eu posso afirmar que ele destruiu; há ao menos uma que ainda não se recuperou; há outra que não entendeu como acabou; uma outra até superou; mas tem mais uma prestes a se machucar…
Ele é feliz brincando de amar…
Elas foram felizes acreditando naquele amar…
Ele está bem trocando o brinquedo.
Elas ficaram perdidas quando no fim do dia souberam que seriam substituídas.
Ele e elas ainda descobrirão o que é reciprocidade da medida do amar.

BEATRIZ BARROS