Boa Viagem, Meu Amor

Uma tocante e premiada história de amor cujo cenário é Boa Viagem, lá no interior do Ceará.

Inscreva-se : https://goo.gl/AeBNga e deixe seu GOSTEI !

‹ Redes Sociais ›

• Instagram: https://instagram.com/contakah
• Facebook: https://www.facebook.com/contakah
• Canal: https://www.youtube.com/channel/UC5Ot…

Direção: https://www.facebook.com/caioramospho…
Produção: https://www.facebook.com/kocjanayna?f…
Maquiagem: https://www.facebook.com/garota.de.ma…
Acessórios: https://www.facebook.com/brisadaprima…

Olha lá, heim! AUTOR NÃO É NARRADOR!

– Texto da Kah –

Boa viagem, meu amor

Primeira vez que ela veio, o rio estava seco. A gente era menino, ainda, não tinha maldade, nem nada, mas começou feito formigamento, cresceu em ardência e deu em febre permanente. Aqui nesta parte do Ceará, tudo é medido em calor, até o querer que engorda no nosso peito. Eu não sei, mas tenho certeza de que nunca houve uma menina tão bonita, nascida para rainha, do sertão ou de terras mais amenas, haveria de ser linda em todo canto! Imagine você que eu guardava os passos dela toda vida, ela dizia que eu era o melhor amigo, molhava os lábios, sorria e beliscava aqui um dos lados da minha barriga.

Em Boa Viagem, era bom quando chovia e nasciam os rios, riachos, aqui e ali um ajuntamento de água: ela me pegava pela mão, mas eu ficava só pastorando, o rosto dela brilhando, os cabelos que nem raios luminosos espalhados sobre a água, o frio nos pelos dos braços.

E eu a amei! Por todos aqueles treze anos e por todos os dias que os sucederam. E ela soube, porque era sabida, desvendava tudo quanto era gente, só de olhar nos olhos, mesmo, e por fim segredava cá nos meus ouvidos, mangando, exceto quando a arrumação era sobre ela própria. Menina fantasiosa… Parecia que quando andava pelas estradinhas, ali, arrastando na terra as chinelas, tocava música de mistério e tudo. Contava-me cada história de sua criação!

Já perdi foi a conta dos anos e das lembranças. Última vez que ela veio, o rio estava transbordando, tinha correnteza e abundância de verde, mas ela foi sem mim, que eu andava mais meu pai, nós ocupados com a fartura da roça. Mas com ela foi meu coração, e meus pensamentos nadavam ali sobre as águas e no meio da cabeleira pretinha, coisa de cachos e danças.

Depois disso, nunca mais ela voltou. O rio se zangou, disseram, e a menina passou mal, engoliu muita água e se foi, junto com o meu querer. É que tem coisa que não é feita pro entendimento da gente. Mas foi assim mesmo: todos dois afogados. Meu amor e meu amor.

Música: http://www.bensound.com/royalty-free-…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s