Capítulo Anterior

Já encerrando o seu expediente, Eduardo recebeu uma cliente diferente, a líder da oposição na cidade, Luciana Monterrey. Ela era a principal concorrente de seu tio ha alguns anos, era uma senhora “enxuta”, bem afeiçoada e de um distinto porte ao falar. Eduardo se assustou com as investidas sexuais que ela fazia em alguns nada raros momentos. Luciana ainda fez revelações sobre o governo oligárquico de seu tio, que era recheado de desvio de dinheiro e prostituição infantil. Eduardo ficou chocado ao ouvir aquilo sobre seu tio e exigiu provas por parte dela, e ela prometeu trazer na próxima consulta. Como era a última, Eduardo resolveu convidar Luciana para tomar algo e ela falar mais sobre o que sabia.

 

Enquanto a conversa acontecia no bar, Luana viu o bate-papo de Eduardo com a rival de seu pai, ela como era impulsiva, iria lá tirar satisfação com o “rapazinho”: “Como pode alguém ser tao traíra assim?” – Afirmou a bela. Porém nem deu tempo dela se aproximar do local, dois motoqueiros se aproximaram da mesa do “casal” e matou Luciana com uma série de tiros e depois se mandaram. Todos no bar se assustaram, inclusive Eduardo e Luana. Eduardo saiu correndo dali, enquanto Luana foi atrás de seu parente.

 

Quando Luana alcançou Eduardo, em meio a um matagal ali próximo, ela perguntou o que foi aquilo. Eduardo começou a gritar: “Meu padrinho é um assassino!” Luana queria entender porque ele estava dizendo aquilo. Eduardo afirmou que Luciana era a única na cidade que fazia oposição ao Prefeito e que era a única que possuía provas que ele era pedófilo e assassino. Luana não acreditava naquilo. Eduardo disse que só tinha um jeito de saber e pediu para que ela o acompanhasse até um lugar que Luciana o havia dito.

 

Ao chegaram na tal casa, que ficava meio afastada da cidade, Eduardo achou uma série de DVD’s com filmes contendo cenas de sexo e nudez com crianças. Luana não queria acreditar naquilo, apesar que… Eduardo não entendia o choro repentino de Luana, até que ela confessou que quando ela era criança, o prefeito a molestava, não fazia sexo com ela, mas costumava acariciar seus órgão genitais, principalmente antes da puberdade. Ela achava aquilo normal, até que quando cresceu percebeu que não era, mas aí ele já não fazia mais, então ela deixou para lá. Eduardo perguntou porque ela se prostituía, se o prefeito mandava dinheiro para ela estudar, ela disse que nunca estudou, o diploma era falso, ela foi para capital atrás de um cara que ela conheceu no Facebook, mas chegando em Fortaleza, eles transaram e ele a jogou na rua. Então, ela pegava o dinheiro de seu pai para pagar o aluguel de seu apartamento próximo a Beira-Mar e o resto do dinheiro, ela conseguia através do sexo. No início, ela fez por não ter outro caminho, depois para se manter em um alto nível social e por último, porque não conseguia mais sair daquela vida, até que preferiu voltar para casa e viver uma vida normal. Mas essa descoberta agora… Eduardo disse que eles deveriam se unir, era o único jeito de fazer algo, já que até a polícia da cidade era subordinada ao Prefeito. Ela aceita o trato e de rivais, os dois voltam a ser cúmplices.

O que aconteceria depois dali? Só o destino irá dizer.