Não sou nenhum escritor

do Século passado,

nenhum mito

do Século atual.

Sou apenas mais um metido,

que finge ser poeta

por mais nada saber escrever.

 

Vivo nessa ilusão

de fantasiar meus sentimentos

para escrever

e conquistar seu coração.

 

Não minto, nem omito,

Mas se quer falo a verdade.

Só vou versando

para me dar felicidade.

 

Ninguém sabe o dia de hoje,

muito menos o que surgirá amanhã.

A vida é um ciclo misterioso

que brinca com a mente sã.

 

Não sou ninguém,

mas também não sou tudo.

Sou apenas um pseudo-poeta

que ainda pensa em conquistar o mundo.