O que sou eu

nesse jogo da vida?

Que peça, eu sou,

nessa engrenagem

que é a sociedade?

 

Saiba que tudo o que é feito

vem descrito no manual!

Pensar é algo errado,

Desnecessário, é banal.

 

Siga as instruções!

Não reflita, só cite!

Escolhe uma corrente,

não argumente,

só a defenda e a aceite!

 

O mundo é um barril de cobras,

onde você tem que aceitar ser picado!

Ame ou odeie,

diferente disso será crucificado!

 

Raciocinar é algo do mal!

Assim não será manipulado,

não será robotizado

e isso atrapalha o mantra.

 

Na política, na vida, no jogo,

faça o que todos fazem!

Ser diferente é ser jogado aos ratos

e esquecido de fato.

 

O mundo é mesquinho,

onde os carniceiros estão no topo,

loucos para verem sua carne putrefata

para você, nunca tirar eles do poder!

 

Quem sou eu no jogo da vida?

Uma peça perdida,

esquecida,

por não bajular gente indevida.

 

Que engrenagem, eu sou?

Aquela que não se encaixou,

que de lado ficou,

porque a alma não vendeu.

 

A vida é insensível

mas jamais desistirei dela.

Sei que o jogo vai virar

e pensar vai voltar a ser uma dádiva.