RESUMO

Estudos têm apontado que, para desenvolver um perfil resiliente, os atletas precisam enfrentar as adversidades do contexto esportivo, utilizando recursos pessoais como otimismo, competitividade, motivação, maturidade e persistência. Este estudo objetivou analisar o impacto das estratégias de coping na resiliência de atletas de vôlei de praia. Participaram 48 atletas adultos do Circuito Banco do Brasil de Vôlei de Praia. Os instrumentos utilizados foram o Inventário de Estratégias de Coping (ACSI-28) e a Escala de Resiliência de Connor-Davidson (CD-RISC). Para a análise dos dados, utilizaram-se o teste de Shapiro-Wilk, “U” de Mann-Whitney, Anova de Medidas Repetidas seguida do Post Hoc de Bonferroni, Correlação de Spearman e Regressão Linear Simples (p<0,05). Resultados: estratégias de coping que tiveram impacto na resiliência dos atletas foram o Índice de Confronto Geral (48%), “Confronto com adversidade” (33%), “Confiança e motivação” (25%), “Formulação de objetivos” (12%) e “Treinabilidade” (9%); atletas convocados para a seleção brasileira apresentaram altos níveis de resiliência [Md=91,50 (84,0-94,0)] e utilizam as estratégias de: “Rendimento máximo sob pressão” (Md=2,25), “Confronto com as adversidades” (Md=2,62), “Formulação de objetivos” (Md=2,75) e “Confiança e motivação” (Md=2,75). Concluiu-se que utilizar estratégias de enfrentar problemas, ter metas definidas, motivação e utilizar de concentração para as competições têm um impacto significativo no desenvolvimento do perfil resiliente de atletas de rendimento.

CLIQUE AQUI E LEIA O ARTIGO COMPLETO

Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano

Qualis: B1

Ano: 2014

Referência

BELEM, Isabella Caroline et al. Impacto das estratégias de coping na resiliência de atletas de vôlei de praia de alto rendimento. Rev. bras. cineantropom. desempenho hum. [online]. 2014, vol.16, n.4, pp.447-455. ISSN 1980-0037.