Enredo: “OKÊ ARÔ”

Compositores: Sukata, Morganti, Jairo Roizen, André Valêncio, Robson Cezar, Tubino Meiners, Pixulé, Marcos Thiago e Acerola de Angola

Letra:

É xirê, é xirê, kolofé, saravá
Quem manda na aldeia é meu orixá
Barroca, nosso caso de amor.
A faculdade do samba chegou

Negra, a cor de quem sofreu a injustiça.
A fé quebrou a crueldade das correntes
Filho d’yemanjá e oxalá
Oxóssi caçador se faz presente
Laroyê… Os caminhos vão se abrir
Da lágrima que corre um santo a surgir
Os segredos vão se revelar
Vem da jurema, natureza imponente.
Das mãos de ogum o seu ofá
Logun-edé espalhou a sua herança
Nos ventos de yansã a esperança

Ê… Caboclo ê
Dono da mata à luz do luar
Caboclo ê… Odé odé
Dono da mata, rei de ketu ele é.

Salve a sabedoria
A força emana a nossa raiz
Legado de humanidade
Da tua vontade eu sou aprendiz
Então, no dia vinte de janeiro.
Ao celebrar meu padroeiro
Oferendas vou levar
Barroca, segue a madrinha em sua procissão.
Vestida em verde e rosa
Cantando forte em devoção
Do samba, a flecha certeira.
Iluminando meu caminho especial
Eu bato o tambor… Okê okê arô