Capítulo Anterior

Depois de tantos “vácuos”, Juliano resolveu ir até a casa de Taiana. Ao chegar lá, só conseguiu falar com os pais dela, que inclusive pediram para ele esquece-la, pois Taiana jamais namoraria um “Coxinha”. Eles justificam, afirmam que não é preconceito, é porque o choque de ideias jamais fariam o casal ser feliz. Ele sai entristecido de lá, enquanto Taiana, de seu quarto, fica aos prantos, mas sabe que era um “mal” necessário.

Após algumas horas, Alencar liga para Dandara e afirma que Juliano e Taiana terminaram. Dandara sabia que teria que fazer algo, porém ao chegar na casa de Taiana não era mais possível falar com ela naquele momento, pois a família havia corrido ao hospital. A vizinha não detalhou o porquê, mas afirmou para Dandara que eles tinha ido ver o Luís Inácio. Quando Dandara chega ao hospital, ver sua amiga desesperada. Dandara descobre que Luís Inácio havia se matado. Em um resto de papel, Luís Inácio havia afirmado que se matara, porque preferia a morte do que a ideia de ter sido salvo por uma “golpista”. A dor era grande naquele momento, Taiana não entendia porque tudo estava dando errado para ela. Dandara dar o colo que a amiga precisa, e chama Juliano ao hospital , via mensagem do whatsapp.

Juliano antes de ir ao hospital liga para Carol e repassa para ela que Luís Inácio havia se suicidado. Antes dos irmãos, chega Alencar, que também estava ali para confortar Taiana. Miguel também vai ao hospital, quando sabe o motivo do suicídio, Miguel se sente um pouco responsável por tudo isso: “Como um cara tão novo, faz isso por mero orgulho político?” – Repetia isso diversas vezes, Miguel. Dandara fala para Miguel que ele não culpa do ocorrido, o “fanatismo” de Luís Inácio foi o motivo real. Miguel abraça Dandara e pede desculpa por tudo que ocorreu em Brasília. Dandara reafirma que o amigo não tem culpa do fanatismo dos outros.

Após uma hora, Juliano e Carol chegam, o engarrafamento da cidade não o deixaram aparecer mais cedo. Carol indignada, não acreditava que Luís Inácio havia feito o que fez. Enquanto isso, Juliano tenta abraçar Taiana, ele não gostava de ver sua amada daquele jeito. Taiana não aceita o abraço. Juliano, então resolve se retirar dali. Porém antes dele ir embora, Taiana resolve não fazer como seu irmão, corre em direção de seu amado, o enche de beijos e afirma: “Nem Dilma, nem Temer, nem nenhum político pode está a frente de nosso amor. Nenhum político irá me dar o carinho que você me dar! Você é quem eu amo, você é quem me faz feliz. Não adianta brigarmos por causa deles! Não podemos deixar de viver o que sentimos, porque pensamos diferentes sobre as reformas ou sobre que político irá nos assaltar melhor. Eu te amo, e jamais vou deixar de te amar, por você ser um coxinha.” Juliano sorri, aceita os beijos e também fala: “Eu te amo! E se o meu lado político diz que comunista tem que morrer, é porque eles são idiotas! Ninguém deve morrer por pensar diferente! Não me importa, se pra você Lula é um herói ou se pra mim é um bandido! Eu te amo e irei te fazer a mulher mais amada do mundo, seja no Benfica ou na Aldeota, seja em Cuba ou nos EUA! Não, a política nunca será mais importante que nosso amor!” Após tantas declarações, Dandara grita: “Ai que lindo, os pombinhos voltaram!”

Em meio a dor da morte de Luís Inácio, Taiana e Juliano perceberam que a identidade política de alguém não é o mais importante. As pessoas podem até discordarem, mas podem conviver em paz, e que o debate de ideias leva a solução melhor do que a velha imposição política.

No fim, Dandara se casou com Alencar e foram morar em Portugal. Os dois continuaram a brigar por política. Alencar votaria em Bolsonaro, enquanto Dandara, em Haddad. Em meios aos xingamentos de “Comuna” e “bolsominion”, o boyzinho da Aldeota descobre que Dandara teria o primeiro filho do casal, que se chamaria Ernesto Trump, vocês tiram a conclusão de onde tiraram essa ideia. Miguel e Luana resolveram começar a namorar, porém Miguel era livre demais, Luana, mimada demais. O amor não durou, mas a amizade de “Che” e “Tasso” resultou em vários passou de fim de semana cheios de prazer e altas discussões políticas. Carol resolveu ir para França, onde se formaria em Moda, ela se apaixonara por um francês que lutaria em meio aos “coletes verdes” contra as reformas de Macron. Carol sempre mandava carta ao irmão e falava da felicidade que sentia naquele momento.

Taiana e Juliano prometeram esquecer a política, ambos votaram em branco nas eleições de 2018. Ela ainda estava traumatizada com a morte do irmão. Ele, por não se sentir a vontade em votar em Bolsonaro ou Alckmin. Os dois preferiam se curtir e deixar aquilo que tanto o maltratou de lado. Eles alugaram uma casa e foram morar na Parquelândia. A primeira filha do casal se chamaria Paz. Todos os dias, apesar dos problemas comum a todo casal, eles sempre se entendiam e o amor sempre se sobressaía. Sim, o casal foi feliz para sempre, pelo menos até a próxima eleição!