Xirê : troca, fluxo e circulação do axé como forma de manutenção da sociabilidade no candomblé

RESUMO

Este trabalho tem como objetivo identificar de que forma os processos de troca nos rituais públicos do candomblé, mais precisamente nos xirês (festividades de culto a orixá), interferem na manutenção da sociabilidade e na circulação de axé. Analisando o xirê a partir do referencial teórico interacionista, cujo pensamento está centrado na troca não-utilitária, a pesquisa conclui que, no candomblé, existe um intrincado sistema de trocas que favorece a interação entre os praticantes e esse sistema mantém-se por fatores como: a necessidade de socialização; a atribuição de sentido que o calendário festivo dá aos membros do candomblé e a circularidade do dom. A proposta foi fazer um estudo do xirê, ritual cujo cerne está no interacionismo entre humanos e deuses, entre humanos e humanos e ainda entre deuses e deuses. No xirê, a troca é vista como elemento central e perene no decorrer do rito. Nessa perspectiva, os dados etnográficos produzidos em campo revelaram desencontros entre o modo de vida ocidental individualista e o modo de vida em comunidade dos terreiros de candomblé. Do ponto de vista metodológico, esta é uma investigação de abordagem etnográfica, de estudo do Olubajé. Por mais que existam trabalhos acadêmicos sobre a temática do candomblé, esta pesquisa propõe um olhar a partir das Ciências da Religião, com a produção de conhecimento, permitindo esclarecer um assunto não suficientemente investigado no âmbito do fenômeno religioso no Brasil. Além de sua relevância e amplitude, o presente estudo pretende ser uma contribuição inovadora na linha de pesquisa que envolve o campo religioso brasileiro, possibilitando compreender assuntos que permeiam o papel decisivo das religiões de matriz africana na constituição das identidades socioculturais do país e nas relações humanas e sociais. Esta pesquisa pode contribuir ainda trazendo novos conceitos e novas formas de entendimento da realidade na temática das religiões de matriz africana.

CLIQUE AQUI E LEIA O ARTIGO COMPLETO

AUTOR: Juracy de Arimatéia Rosa Júnior

ORIENTADOR: Luís Américo Silva Bonfim

ANO: 2018

REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA UFS – Universidade Federal de Sergipe

REFERÊNCIA

ROSA JÚNIOR, Juracy de Arimatéia. Xirê : troca, fluxo e circulação do axé como forma de manutenção da sociabilidade no candomblé. 2018. 125 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Religião) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE, 2018.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.