Capítulo Anterior

Atenção: Para facilitar nosso trabalho, vamos fingir, que apesar de terem idiomas distintos, eles se entendem.

O general após capturá-los pergunta:

_Vocês são astecas?

 Carolina afirma que não, e pergunta se eles são maias. O general fica encantado com Carolina, percebe que ela possui uma beleza única, que nem todo dia se está diante uma mulher como ela. Observando isso, ele afirma:

_Soldados, capture-os. Vamos ao Batab!

Após alguns minutos, eles chegam à sede daquela espécie de aldeia, melhor cidade-estado e, principalmente, a casa do Batab, homem de confiança do teocrata Halach Uinic, que governava aquela região. Para azar de Carolina, o Batab procurava uma esposa.

Ao chegarem à casa do Batab, ele se encanta com Carolina. O general logo a indicou e ele aceitou. Vicente ficou invocado, se debateu, gritou, mas o que ele conseguiu foram algumas bordoadas dos soldados.

Os Maias tinham que se defender dos constantes ataques dos Astecas, suas terras já não eram o que foram outrora, suas riquezas também não. Mas eles ainda tinham milho. Mesmo com estas dificuldades, o Batab ficou interessado pela bela e logo disponibilizou moradia e tudo o que ela poderia ter de melhor, aumentando a fúria de Vicente, que foi capturado e mandado para um local onde ele ficaria preso. Guarniejez, Alessandra e o Príncipe passariam a serem funcionários do Batab, mas ficariam longe da futura esposa.

No dia seguinte, os soldados anunciaram pela cidade sobre o casamento do Batab, que ocorreria em torno de seis semanas.

Jogado em uma espécie de prisão, Vicente passou a arquitetar um plano para evitar o casamento.

Enquanto isso, Guarniejez e Alessandra arquitetam uma maneira de libertar e armar Vicente, além de salvar Carolina. Nisso, o Príncipe se encantava por um belo nativo, melhor, se apaixonava. A paixão levou-o a seguir o belo. Então, ele descobre que o belo é um Asteca, que tem como missão matar o Batab para o Império Asteca dominar, por completo, os Maias. O príncipe sem saber o que fazer, só volta para a sede.

Ao chegar à sede, o príncipe fala isso para Alessandra e Guarniejez. Os dois perguntam se ele possuía armas. O Príncipe afirmou que sim, e então, eles partiram para a casa deste asteca, com a missão de saquear as armas e libertar Vicente.

Na “prisão”, um guarda chama Vicente para “trabalhar”. Sem pensar, o gajo, que possuía uma faca com vós, matou o guarda e fugiu daquele lugar.

Na sede do Batab, Carolina estava sendo tratada como uma Rainha por aquele belo e sedutor homem. Ela estava completamente encantada com o charme e as palavras que ele usava ao se direcionar a ela. O Batab queria fazê-la, não só de mulher do Batab, mas também, a mais feliz da aldeia. Carolina passou a admirá-lo, depois de suas palavras e atos. Ela acabou não resistindo e se rendeu a tentação maia.

Ao ver Vicente com “sangue nos olhos” passeando pela aldeia, o general sabia que poderia usar aquela fúria ao seu favor. Ele se apresenta a Vicente e pergunta: “Quer me ajudar? É fácil! Basta matar o Batab. Eu lhe dou as melhores armas. Você o mata, tem sua garota de volta, e eu ainda lhe nomeio homem de minha confiança no meu reinado. E aí, vai me ajudar?” Vicente olha enfurecido para o general e afirma: “Por Carolina faço tudo. Eu lhe ajudarei!”. O general abre um sorrio e leva Vicente para a base do exército.

Enquanto isso, Príncipe, Alessandra e Guarniejez chegam à casa do Asteca, e logo, pegam as armas, mas quando tentam fugir são surpreendidos pelo dono destas. E agora?