Depois de um 2018 histórico, o Ferroviário pode lembrar de 2019 como o ano do quase. Em todas as competições, a equipe ficou no “quase”, com exceção da Taça dos Campeões.

No Campeonato Cearense, tínhamos 3 jogos para confirmar a vaga nas Semifinais, mas somamos apenas 1 ponto e acabamos caindo na 2ª fase.

Na Copa do Brasil, chegamos a está na frente do Corinthians por 2 duas vezes no placar, mas só empatamos, o que nos tirou na nossa querida competição.

Na Série C, começamos voando, perdendo apenas 1 jogo em 8 disputados, e precisando apenas de 1 vitória em 7 jogos, conseguimos não ganhar nenhum e cairmos na 1ª fase.

Na Fares Lopes, chegamos a está nos classificando, mas no segundo tempo, deixamos o Caucaia empatar e acabamos perdendo a vaga nas semifinais.

Para piorar, ao final da Série C, perdemos o nosso esqueleto (Lucas Mendes, Mazinho e Edson Carius) ficando apenas Janeudo, daquela linha de frente campeã da Série D.

Agora é se reajustar para 2020. Sabemos que 2019 não foi o sonho que foi 2017 e 2018, mas foi longe de ser anos como 2012, 2014 e 2015, ali sim, anos para se esquecer imediatamente. Teremos uma Série C novamente e um Campeonato Cearense para buscar o décimo título. A diretoria terá tempo para pensar e avaliar o elenco. Não tem como aplaudir essa diretoria por tudo que fez nos dois últimos anos, agora é acreditar e pensar em 2020.