Me diz, poeta!

Por que tanta tristeza?

Se tua maior riqueza

São os versos que escreve!

Você que é cheio de amor,

Jamais enricou!

Não escreve o que aclamam,

E vive de mera lamentação!

Vai, Poeta!

Ao mundo, tu desperta,

Quando tua fome acabar sua paixão!

Vai, Poeta!

Escuta o mundo de merda,

E destrua sua ridícula ilusão!